Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Hoje em dia / Último Sobrevivente entre os Homossexuais Deportados pelos Nazistas – Ele uso o Triângulo Rosa
brazda schwab - Último Sobrevivente entre os Homossexuais Deportados pelos Nazistas - Ele uso o Triângulo Rosa

Último Sobrevivente entre os Homossexuais Deportados pelos Nazistas – Ele uso o Triângulo Rosa

Muito se fala sobre a perseguição aos judeus na Segunda Guerra Mundial, mas o sofrimento de outros grupos visados pelos nazistas, como os gays, ainda pode, e deve ser mais exposto.

O Livro Triângulo Rosa – Um Homossexual no Campo de Concentração Nazista (Mescla Editorial, tradução de Ângela Cristina Salgueiro Marques), lançado no mês de Abril no Brasil – primeiro país estrangeiro a editar uma tradução – é um esforço neste sentido. Relatando a história de Rudolf Brazda, único sobrevivente entre os dez mil homossexuais deportados pelo Movimento Nazista.

Rudolf Brazda, ainda muito jovem, percebeu sua homossexualidade. Mesmo antes dos 10 anos de idade, era comum os comentários de amigos sobre seu jeito afeminado. Na adolescência era um verdadeiro pé de valsa. As garotas disputavam entre si para ser seu par na pista de dança. Também eram comum essas elas tentarem algo mais, porém Brazda não correspondia. Ele preferia garotos.

brazda-schwab

Filho de pais checos, livres de qualquer tipo de preconceitos, Brazda não teve problemas ao apresentar o seu primeiro namorado. Manteve um relacionamento sério com Werner de 1933 a 1936, até que o companheiro foi convocado para o serviço militar. Jamais se tornaram a ver. Mas outros amore surgiriam.

Nascido no vilarejo de Brossen, perto Leipzig, na Alemanha, em 23 de junho de 1913, Brazda tinha apenas 20 anos quando os nazistas tomaram o poder. Principalmente em 1935, a legislação contra os homossexuais foi endurecida pelo regime. Os termos do parágrafo 175 do código penal foram reforçados: “A luxúria contra o que é natural, realizada entre pessoas do sexo masculino ou entre homem e animal é passível de prisão e pode também acarretar a perda de direitos civis”. Todos os gays passaram a ser cadastrados na Central do Segundo Reich, com o objetivo claro da repressão. As estimativas da época apontam que cerca de 100.000 pessoas foram fichadas, entre elas Brazda e seus amigos.

brazda-18anosEle foi condenado pela primeira vez em 1937. Cumpriu pena por seis meses na prisão e foi exilado da Alemanha. Esperava retomar a vida na Tchecoslováquia, mas, em 1938, o regime Nazista mudou seus planos pessoais mais uma vez. Com a anexação da província dos Sudetos pelos nazistas – onde fica a cidade em que morava, Karlsbad -, as leis alemãs passaram a ser aplicadas ali com o mesmo rigor. Em pouco tempo, Brazda foi preso novamente e condenado a 14 meses de prisão. Mesmo tendo cumprido a pena integralmente, não chegou a ser libertado. No auge do regime de Adolf Hitler, os campos de concentração se propagaram: abrigariam também prisioneiros de guerra, comunistas, socialdemocratas, judeus, testemunhas de Jeová, ciganos e homossexuais.

Mais um triângulo rosa – Em 8 de agosto de 1942, Brazda foi enviado para o campo de Buchenwald. Identificado com o símbolo de um triângulo rosa, afixado em sua roupa, Brazda era apenas mais um entre os 10.000 gays deportados para campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial. Durante 3 anos, vivenciou todo tipo de atrocidade. A humilhação tinha início logo que os prisioneiros chegavam ao local, pois todos tinham de ficar nus para inspeção. Brazda, particularmente, ainda entrou numa briga feia com um SS. Levou um tapa no rosto após ter lhe respondido de maneira insolente e perdeu três dentes.

Sempre otimista, Brazda relata que, apesar de tudo, sua passagem pelo campo poderia ter sido pior. “Outros foram ainda mais prejudicados. Eu ao menos podia trabalhar. Eles me deixavam relativamente tranquilo, só era necessário prestar atenção para não me fazer notar pelos SS”, diz lenta e pausadamente, em entrevista por telefone ao site da VEJA. “Testemunhei diversos tipos de violência contra outros prisioneiros. Foram coisas que não me machucaram fisicamente, mas que me marcaram de forma profunda”, acrescenta. Brazda teve sua liberdade em 11 de abril de 1945, quando fixou residência na França.

Para manter o sorriso no rosto, ele se recorda principalmente das fases felizes de sua vida, ou seja, antes de ser preso pela primeira vez e depois do período em que esteve no campo de concentração.

brazda-fernand

Hoje, aos 97 anos, Brazda é o último sobrevivente entre os homossexuais deportados pelos nazistas. Crente em Deus, ele define sua passagem no mundo como “plena”.

A reconstrução da história – Assumindo o papel de confidente de Brazda, o pesquisador e militante dos direitos dos homossexuais Jean-Schwab pôde transformar seus depoimentos no livro Triângulo Rosa. Coincidentemente, entrou em 2008 para uma associação dedicada ao reconhecimento desse tipo de deportados na França, quando descobriu que o último sobrevivente morava bem perto dele, na região de Mulhouse, na França.

Para recompor a trajetória do personagem, Schwab recorreu a centenas de horas de entrevistas com diferentes fontes, pesquisas pessoais em arquivos alemães, checos e franceses e viagens aos antigos lugares ligados à vida e ao confinamento do biografado.

2011-09-30-triangulo-rosa-02
Homens marcados com o Triangulo Rosa, usado para identificar os homossexuais em campos de concentração nazistas

 

Leia a seguir trechos da entrevista com o co-autor Jean-Luc Schwab:

Como o senhor tomou conhecimento da história de Brazda?

Ouvi falar de Rudolf num jornal local francês, em 2008. Pouco antes, havíamos inaugurado em Berlim o memorial às vítimas homossexuais do nazismo (Homosexuellen-Denkmal), em 27 de maio. Na inauguração, lamentamos que não havia nenhum sobrevivente para ver o monumento. Ao saber do fato pela TV, Rudolf – que até então achava que sua história não interessava a ninguém – resolveu avisar que estava vivo. Ele não se dava conta do valor histórico de seu testemunho. No fim de junho, então, ele foi convidado para o Gay Pride na Alemanha, e foi feita uma nova cerimônia em homenagem ao memorial, desta vez com uma das vítimas presente. Após isso, a notícia se espalhou pelos meios de comunicação internacionais.

 

De que forma o senhor pôde coletar material histórico suficiente para a escritura do livro?

Quando fui visitar Rudolf pela primeira vez, me dei conta de que sua história não tinha sido documentada. Então, comecei a entrevistá-lo, para recolher seu testemunho verbal ao menos, e depois gravar os depoimentos em vídeo. Na época, ele estava com 95 anos. E, quando se pede a alguém dessa idade para falar de algo que ocorreu há mais de 60 anos, as lembranças não são muito claras. Então, foi importante verificar nos arquivos se os fatos históricos correspondiam àquilo que ele dizia. Isso nos permitiu descobrir alguns pontos de que ele se esqueceu de e precisar outros citados por ele, especialmente algumas datas.

 

Como nazistas faziam para descobrir quem era ou não era homossexual?

No caso de Rudolf, seu nome foi evocado por seus amigos. Não tive acesso a arquivos de outras pessoas, mas, de uma forma geral, quando havia uma denúncia de homossexualidade, era aberto um inquérito policial e, depois disso, bastava provar que o acusado de fato teve relações “contra a natureza” com uma ou mais pessoas. Nesses inquéritos, faziam de tudo para descobrir o máximo possível de nomes envolvidos, para começar novas investigações e assim por diante.

 

Depois de tanta conversa, surgiu uma amizade entre o senhor e Brazda?

No início, não passava de uma relação entre pesquisador e sujeito de estudo. Hoje em dia, me tornei um amigo e confidente. Eu o ajudo no cotidiano, como para preencher documentos ou garantir o contato com seus médicos e enfermeiros. Passo em sua casa frequentemente para visitá-lo, mas não mais para fazer perguntas. De um ano para cá, sua memória vem se desgastando. É bom saber que sua história pôde ser eternizada.

 Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/meus-livros/leituras-cruzadas/5111/

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

rudolf hess - As últimas fotos de Rudolf Hess vivo na Prisão de Spandau

As últimas fotos de Rudolf Hess vivo na Prisão de Spandau

“Eu fui à Inglaterra por você”: última foto de Rudolf Hess reaparece junto a uma …

foto 3 1 e1515343512851 - Adolf Hitler realmente morreu em seu Bunker, em 1945?

Adolf Hitler realmente morreu em seu Bunker, em 1945?

Por: Anderson Subtil    20 de abril de 1945, enquanto os tanques soviéticos cercavam uma …

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)