Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Historia da Segunda Guerra / Batalhas da Segunda Guerra / 1939 / Sabres Polacos contra Tanques Alemães – A Realidade por trás da Invasão da Polônia – Parte II

Sabres Polacos contra Tanques Alemães – A Realidade por trás da Invasão da Polônia – Parte II

Assalto

Às 10h00min os alemães começaram um ataque ao flanco norte, mas foram repelidos da maioria das posições com perdas significativas em ambos os lados. Quinze minutos depois, a 4ª Divisão Panzer repetiu o ataque, desta vez com o apoio de artilharia e cobertura aérea. O assalto foi planejado em três direções:

1. Para uma das posições do 19º Regimento e para o norte, a fim de flanquear a brigada
2. Rumo à aldeia de Mokra com cerca de 100 tanques e tanquetes
3. Rumo ao enfraquecido 4º Batalhão do 84º Regimento de Infantaria.

Sob a cobertura de fogo pesado, os tanques alemães conseguiram invadir a floresta e garantir uma estrada que conduz toda a linha ferroviária à vila de Izbiska Duże.

Às 10h30min o 4º Esquadrão do 19º Regimento Polonês foi atacado pela retaguarda e foi empurrado para fora da floresta. O ataque ameaçou os polacos com a separação dos 19º e 21º regimentos.

Cavalaria Polaca em Deslocamento

O Coronel Filipowicz ordenou o 19º Regimento a se retirar para o outro lado da linha férrea, mas o caminho já estava ocupado pelos tanques alemães e a unidade foi efetivamente cercada. No entanto, a defesa polonesa foi reforçada pela chegada do comboio blindado nº 53, que avançou pelo campo de batalha no momento em que os tanques alemães estavam atravessando a linha férrea. Ela parou no meio da coluna alemã e abriu fogo com todas as armas. A coluna alemã foi dispersa e recuada com grandes perdas, enquanto o 19º Regimento atravessou a linha ferroviária e abrigou-se atrás dos trens blindados. Embora tenha sofrido pesadas baixas, o regimento conseguiu reagrupar-se no outro lado.

Simultaneamente, um ataque contra as posições principais do 21º Regimento perto da aldeia de Mokra foi iniciado. Tanques alemães conseguiram flanquear o 4º Esquadrão do Regimento do Norte, ao mesmo tempo em que o atacava frontalmente. No final, os defensores poloneses foram empurrados para fora da floresta e um combate pesado na própria aldeia começou. Os alemães perderam 4 tanques para o 2º Batalhão de Artilharia Polonesa que disparava do outro lado da linha férrea, mas o 4º Batalhão estava em retiro, lutando por quase todas as casas da aldeia e sofrendo pesadas perdas. Mais uma vez o dia foi salvo pelo comboio blindado nº 53. Ele chegou à área a tempo e abriu fogo de uma distância de quase 2,5 km, além do alcance efetivo das armas dos tanques alemães da época. Além disso, o 12º Regimento de Ulanos se deslocaram para reforçar o 21º.

Contra-ataque e a “carga”

O 21º Batalhão de blindados sob o comando do major Stanisław Glinski, equipado principalmente com tanquetes TKS receberam ordens para contra-atacar a aldeia, junto com o esquadrão de cavalaria do Capitão Jerzy Hollak.

Tanquete TKS

No meio das nuvens de fumaça nas aldeias, as unidades polonesas foram parar acidentalmente no meio de uma coluna de tanques alemães. Embora os tanquetes poloneses não fossem páreo para os tanques alemães e a cavalaria fosse muito vulnerável ao fogo dos blindados, a confusão nas fileiras alemã impediu o comandante alemão de responder com rapidez suficiente.

As unidades polonesas conseguiram romper a coluna alemã com perdas desprezíveis e entrou na floresta ao noroeste de Mokra. Os tanques alemães perderam a orientação e retirou a coluna da vila, deixando-a novamente nas mãos dos poloneses. Os tanques retiraram-se para suas posições iniciais em Wilkowiecko, deixando a infantaria sem apoio para o assalto. Com isso as perdas alemãs foram altas e um grande número de tropas alemãs foi feitas prisioneiras.

Ao mesmo tempo, também às 10h00min, as posições do 4º Batalhão do 84º Regimento de Infantaria foram atacadas por um destacamento de infantaria mecanizada alemã. Após confrontos iniciais as tropas das 11ª e 12ª companhias  bateram em retirada, se alojando mais ao fundo da floresta.

O Coronel Filipowicz ordenou ao 2º Regimento de Carabineiros Montados para contra-atacar e fortalecer as posições entre os 21º e 84º regimentos. Também a 10ª Companhia conseguiu empurrar o inimigo e retomar as posições perdidas apenas poucos minutos mais cedo.

Por volta de 12h00min os combates no centro e no sul das posições polonesas acabaram. Os combates na floresta, no flanco norte foram encerrados depois que o 19º Regimento se retirou com sucesso.

Lutas Finais

Às 12h15min cerca de 100 tanques alemães voltaram para a aldeia de Mokra. O assalto principal quebrou as linhas do 4º Esquadrão do 21º Regimento e os tanques conseguiram neutralizar os ninhos de artilharia, destruindo duas das armas, assim como romper a parte central da aldeia.

As casas foram incendiadas e o 21º Regimento conseguiu retirar para a linha férrea. Apenas bolsões isolados de resistência foram deixados na própria aldeia, o que causou muita confusão para os alemães.

A retirada do 21º Regimento permitiu que os alemães atacassem o 12º Regimento e o 2º Regimento. As perdas do 2º Regimento de Artilharia foram elevadas, já que a maioria dos canhões 75 mm não eram as melhores armas antitanque.  A 2ª bateria perdeu todas as três armas de fogo e da HMG, enquanto a 5ª bateria perdeu duas armas. No entanto, os restantes das posições de artilharia foram cobertas com a fumaça da queima das casas – os alemães haviam incendiado – e estavam escondidas com sucesso.

Canhão de Artilharia Polaca - 75mm

Quando um grupo de tanques se aproximou da 1ª bateria, as armas polonesas abriram fogo contra os inimigos, destruindo 13 deles em questão de minutos. Isto permitiu aos polacos manter suas posições. Além disso, o 12º Regimento sob o comando de Andrzej Kuczek atacaram os tanques alemães pela retaguarda, a partir da floresta retomada ao noroeste da aldeia.

Apesar de ambos os lados terem sofrido pesadas baixas, os alemães se retiraram. Quando o assalto terminou, o 2º Batalhão de Artilharia foi retirado do campo de batalha devido a perdas e falta de munição.

Às 15h00min, os alemães repetiram o ataque frontal com fogo de artilharia pesada, bombardeios aéreos e quase 180 tanques vindos de Wilkowiecko. Simultaneamente, os ataques aos flancos poloneses.

O ataque frontal foi dirigido ao 2º Esquadrão do 12º Regimento (comandados por Stanisław Raczkowski), no centro da aldeia. Apesar da artilharia polonesa conseguir destruir muitos deles, os tanques alemão conseguiram romper novamente o cerco na aldeia.

O 4º esquadrão sob o comando de Feliks Pruszyński contra-atacou, mas os esquadrões estavam sob pressão constante próximo a linha férrea. O Coronel Filipowicz não tinha reservas e os tanques alemães foram se aproximando da linha ferroviária, enquanto a cavalaria polonesa estava sendo empurrado para trás com pesadas baixas. Logo o regimento perdeu contato com os demais.

Foto de 1919 mostra detalhes da frente do trem blindado que dava cobertura e abrigo aos poloneses durante a batalha de Mokra

Por causa da fumaça, a batalha se quebrou numa série de escaramuças diferentes nas florestas, na vila e ao longo dos trilhos. Todas as baterias foram retiradas da batalha. Isso deixou a situação do 12º Regimento complicada.

O 2º Regimento de Carabineiros Montados, a única unidade que ainda estava intacta e em contato com o comandante da brigada, foi direcionada à agressão a todo o custo a fim de reforçar o 12º Regimento e completar as fileiras da cavalaria e do 84ª Regimento no sul. Isso ajudou a defesa polonesa, mas apenas por um momento.

O Coronel Filipowicz ordenou aos tanquetes poloneses a neutralizar os tanques alemães na aldeia. Embora os tanquetes não fossem fornecidos com munição antitanque, no caos da batalha, conseguiram deter o avanço alemão por um momento. Depois de perder um tankette os poloneses se retiraram, mas conseguiu ganhar tempo suficiente para que os trens blindados retornassem à área.

Ao norte, as posições do 19º Regimento não contiveram os tanques e estes começaram a atravessar a estrada ferroviária perto de Izbiska. Quando os tanques alemães cruzaram a linha, os trens blindados chegaram e os atacou pela retaguarda. Enquanto as perdas em tanques eram limitadas, o pânico que se iniciou nas unidades alemãs resultou no abandono de muitos blindados por seus tripulantes, impossibilitados de conduzir pela via férrea – elevada cerca de dois metros acima do solo – e a passagem foi bloqueada por tankettes.

Ilustração mostra Trem blindado Polonês se em combate

Embora ambos os trens tenham sofrido algumas perdas e finalmente foram forçados a recuar, o pânico nas fileiras alemãs não foi interrompido. No meio da fumaça alguns dos tanques alemães começaram a disparar contra suas próprias posições, enquanto outros simplesmente recuaram para a posição inicial.

No sul a infantaria polonesa foi novamente empurrada mais profundamente na floresta, mas suas linhas não foram quebradas.

Às 17h00min a batalha termina.

Resultado

A 4ª Divisão Panzer alemã foi forçada a voltar para suas posições iniciais em Opatów e Wilkowiecko, e apenas o 12º Regimento de Schützen conseguiu chegar à estrada ferroviária que cruzam Izbiska. No entanto, ao saber que a 1ª Divisão Panzer havia conseguido tomar Kłobuck, as forças polonesas foram retiradas durante a noite até à aldeia de Łobodno situado a nordeste de Kłobuck e, em seguida para a segunda linha de defesa, cerca de 12 km para o leste.

Alguns dos Blindados Alemães destruídos na batalha:

Vítimas

As perdas de ambos os lados foram bastante elevadas. Os alemães perderam cerca de 800 homens (mortos, desaparecidos, capturados ou feridos graves), e entre 100 e 160 blindados (pelo menos 50 deles tanques).

A brigada polonesa teve 200 mortos e 300 feridos, bem como 300 cavalos e armas diversas.

O 2º Batalhão de Artilharia Montada perdeu quase 30% dos homens, o 21º Regimento – quase 25%, o 12º Regimento de Ulanos que foi utilizado como uma reserva perdeu 5 oficiais e 216 homens, entre mortos e feridos.


Sabres Polacos contra Tanques Alemães – A Realidade por trás da Invasão da Polônia – Parte I

Sabres Polacos contra Tanques Alemães – A Realidade por trás da Invasão da Polônia – Parte III

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial.

Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, – antigo Segunda Guerra.org – escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

Sabres Polacos contra Tanques Alemães – A Realidade por trás da Invasão da Polônia – Parte I

É comum lermos que a Polônia foi surpreendida pelos alemães sem que pudessem reagir. Que …

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)