Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Brasil / Em Combate / Relatos da Segunda Guerra – Pode subir, Somos Amigos!
Antonio Cruchaki2 - Relatos da Segunda Guerra - Pode subir, Somos Amigos!

Relatos da Segunda Guerra – Pode subir, Somos Amigos!

Em entrevista ao Veterano Antônio Cruchaki, Presidente da Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira – Seção de São Bernardo do Capo, no ultimo dia 12/10/2012, junto dos amigos Durval Junior e Marcus Carmo, ouvimos varias historias referente a participação do Brasil na Segunda Guerra Mundial.

Antonio Cruchaki - Relatos da Segunda Guerra - Pode subir, Somos Amigos!

Segue abaixo uma das historias contada pelo Sr. Antônio, essa historia também está no livro “Quebra Canela – General Raul da Cruz Lima Junior”.

Nas proximidades de Montese, foram designados a limpar algumas casas, tinham que retirar as armadilhas deixadas pelos alemães. Em uma das casas o Cabo Mario Müller chamou atenção do Tenente Edson, dizendo que teria ouvido falar alemão no interior da casa.

Cercaram a entrada, e o cabo que falava bem o idioma, devido sua origem alemã, e seguindo as instruções do seu Comandante, ordenou aos combatentes que subissem ao do porão, pois se tratavam de amigos.

A proporção que iam saindo, encontravam as armas apontadas contra eles e não tinham tempo de esboçar a menor resistência. Assim foram aprisionados 7 alemães, entre surpresos e indignados.

Contou o Tenente que o último que devia ser chefe deles, não pode deixar de dizer a seguinte frase: “Puxa, que amigos”!

patrulha-montese
Prisioneiros alemães feitos em Montese. Ao lado, conduzindo-os, o Ten. Edson, Comandante do 5º Pelotão de Engenharia.

Na mesma casa foram encontrados fuzis, metralhadoras e granadas. O inesperado deste aprisionamento mostra como seus defensores foram surpreendidos pela velocidade do ataque brasileiro.

Com muita emoção o Sr. Antônio nos contou essa historia com mais ou menos essas palavras, como também contou outras tantas que iremos contar mais para frente.

ASSISTA À HOMENAGEM REALIZADA AO VETERANO 

Sobre Ricardo Lavecchia

Ricardo Lavecchia tem 35 anos, nascido no dia 22/01/1982. Natural de Santo André – SP Trabalha como vedendor, desenhista nas horas vagas, sempre procurou novas idéias em imagens de livros e jornais, e foi numa dessas buscas que descobriu outra paixão: A Segunda Guerra Mundial. Tinha, então, 18 anos e se deparou com o livro: "Crônicas de Guerra - Com a FEB na Itália" de Rubens Braga. Ao invés de apenas escolher uma imagem para desenhá-la, resolveu ler o livro. O fascínio pelo assunto o tomou por completo. Em suas pesquisas sobre o tema, descobriu não só relatos de guerra, mas amizades sinceras de veteranos, como o Sr. Antônio Cruchaki, veterano do 9º BEC e o falecido Capitão Rocha da Senta a Pua. E-mail: ricardo @ segundaguerra.net

Veja Também

0131405 - Último Tiro de Artilharia e a Rendição Incondicional Alemã -148ª Divisão de Infantaria

Último Tiro de Artilharia e a Rendição Incondicional Alemã -148ª Divisão de Infantaria

  O 1º/2º Regimento de Obuses 105 Auto-rebocado (1º/2º RO 105 Au R – “III …

Arnon2 - Relatos da Segunda Guerra - O Herói em Silêncio

Relatos da Segunda Guerra – O Herói em Silêncio

Em um ato de coragem o soldado Arnon Correa teve muito sangue frio, coragem e …

4 comentários

  1. O Veterano Antônio Cruchak deu uma baita entrevista!

  2. o Sr Antonio é mesmo uma Pessoa especial!!
    Veterano de verdade, foi combatente valioso e responsavel.
    Ainda hoje grande exemplo de vida!!
    Parabens ao autor pois recolher este tipo de testemunho faz parte do projeto de manter viva a Historia do nosso Páis, da qual os nossos país foram protagonistas.

  3. Tá mais que na hora de colocar um botão “compartilhar” e “curtir” do Facebook no site! É fácil, fácil de colocar, tem aplicativos prontos pra isso. Garanto que vai trazer um retorno bem positivo para o site. 😉

    Abs

  4. Nadir Pereira de Souza Cruchaki

    Vejo meu esposo contar sempre essas histórias e tenho maior orgulho dele que combateu nos Campos de batalha da Itália e é a pessoa mais doce que conheço. Quem quiser conversar com ele, está sempre a disposição de todos que queiram saber alguma coisa sobre a guerra.

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)