Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Multimidia / Glossário / Organização Militar na Segunda Guerra Mundial – Como se Organizavam as Tropas

Organização Militar na Segunda Guerra Mundial – Como se Organizavam as Tropas

logo Em textos sobre a Segunda Guerra Mundial muito se fala em “divisão”, “pelotão” “Companhia”, mas afinal o que são esses termos? O que representam em quantidades de homens e hierarquia na batalha?

Montamos aqui um artigo que resume a organização de forças terrestres, com base no que comumente é adotado atualmente e assim também foi na Segunda Guerra.

A organização militar das forças terrestres segue um padrão na maioria dos exércitos do mundo. Algumas variantes pode haver, como quantidade de homens e denominações, porém o conceito é o mesmo.

Grupo de Exércitos
Constitui-se na maior unidade de campo autônoma de um exército. Pode conter em suas fileiras dois ou mais exércitos e outras unidades especiais, com o objetivo de executar uma ação militar em determinada região geográfica. Geralmente comandado por um marechal ou general.

Seu efetivo pode variar grandemente, indo de 200 mil soldados a mais de um milhão. Tal divisão facilita a coesão das forças. Ao invés de dez ou mais exércitos responderem diretamente ao Estado-Maior, eles respondem ao seu respectivo Grupo de Exército. Desta forma o Estado-Maior não fica sobrecarregado, ficando livre para tratar de questões logísticas, estratégicas e operacionais.

O método de dividir as forças armadas em Grupo de Exércitos nasceu na Segunda Guerra, pelos alemães na invasão da Polônia, em 1939. Com o Grupo de Exércitos Norte e Sul, os alemães moveram melhor suas forças e derrotaram as tropas polonesas em apenas 3 semanas. Na invasão da França, os alemães dividiram 150 divisões em três Grupos de Exércitos – A, B e C, cada um numa região e sob um objetivo determinado.

– Ao norte, o Grupo de Exércitos B lutaria na Bélgica;

– Ao sul, o Grupo de Exércitos A, o maior de todos, teria por objetivo invadir a França pelas Ardenas e cercar as forças aliadas estacionadas nos países baixos

– O Grupo de Exércitos C teria por objetivo atacar a Linha Maginot.

Na Rússia aplicou-se a mesma divisão, com três Grupos de Exércitos – Norte, Centro e Sul -, cada um com uma região definida. Os russos, fez divisão de suas tropas em Grupos de Exércitos, mas com a denominação de front.

Os aliados partiram suas forças em Grupos de Exércitos, porém com a diferença de que eles não eram subordinados ao Estado-Maior de seus países e sim ao Supremo Quartel General das Forças Expedicionárias Aliadas – SHAEF -, que integrava representantes de todos os países combatentes e comandava as forças francesas, polonesas, canadenses, britânicas e inglesas. Foram formados 4 grupos de exércitos – três na França e um na Itália -, que combateram na libertação França e, em seguida, na Alemanha.

Exército
Grupo de até 8 corpos de exército, geralmente formado apenas em operações de guerra, reunindo vários corpos de exército e 10 ou mais divisões com 50 mil a 200 mil soldados, sob comando de um General de Exército.

Corpo-de-exército ou Força expedicionária de fuzileiros
Agrupamento de variadas Divisões, mais unidades de apoio de corpo-de-exército, com um efetivo entre 20.000 e os 80.000 combatentes. O comando de um corpo-de-exército normalmente é dado a um General-de-exército.

Divisão
Grupo duas a cinco Brigadas, além de unidades de apoio divisionário, num total entre 10.000 a 25.000 militares. Normalmente, uma Divisão fico sob o comando de um General de Divisão.

Brigada
Na maior parte dos Exércitos, a Brigada é a menor unidade sob comando de um oficial general, normalmente um General de Brigada, e que abrange sub-unidades das várias armas e serviços. Em termos de estratégia, a Brigada é a menor unidade operacional que pode operar num teatro de guerra.

De acordo com o número e o tipo de subunidades pela qual são constituídas as Brigadas de manobra podem ser de vários tipos:

  • Blindadas: predominam subunidades de Carros de Combate;
  • Mecanizadas: predominam subunidades de Infantaria Mecanizada;
  • Aerotransportadas ou Pára-quedistas: predominam subunidades pára-quedistas;
  • De Infantaria: predominam subunidades de Infantaria Motorizada.

Há outros tipos de Brigadas como: Artilharia, Artilharia Antiaérea, Artilharia de Campanha, Artilharia de Costa, Artilharia Leve, Engenharia, Logística, etc.

Regimento
Unidade militar normalmente comandada por um Coronel. Variando conforme a missão, país de origem e composição, um Regimento moderno possui uma dimensão similar a uma brigada, onde que ambas possuem em média entre 2000 e 6000 militares.

Essencialmente a diferença atual entre um Regimento e uma brigada é nesta há subunidades de variadas armas e serviços, e no primeiro há forças de uma única arma.

No Exército Português, atualmente o Regimento é apenas uma unidade administrativa, servindo como uma base para a mobilização, organização e instrução de unidades operacionais.

No Exército Brasileiro, Regimento é o nome atual dada às unidades da Arma de Cavalaria, equivalentes ao batalhão na infantaria.

Regimento de Infantaria
Unidade constituída por 3 batalhões, que por sua vez é subdividido em 3 companhias. O Regimento, é uma unidade com administração própria, porém subordinado operacionalmente a uma brigada ou divisão.

Sob comando de um coronel ou tenente-coronel, seu efetivo fica em média de 1.000 a 1.200 homens. Possui um estado-maior constituído de seções de pessoal, inteligência, operações, logística e relações públicas para assessorar o comandante.

Batalhão
Unidade militar, geralmente comandada por um Coronel, Tenente-Coronel ou por um Major, e constituída por certo número de companhias – entre três e cinco.

Na maior parte dos exércitos atuais, o Batalhão é a unidade tática básica, que contém sub-unidades de manobra, comando e apoio de combate. Em operação os Batalhões são agrupados em brigadas. Em alguns exércitos, os Batalhões são administrativamente organizados em regimentos.

O termo Batalhão é utilizado para designar as unidades de infantaria.

No Exército Brasileiro, as unidades de artilharia equivalentes ao Batalhão são chamadas de Grupo, e as unidades de cavalaria de Regimento.

Grupo de Artilharia
Unidade militar da arma de Artilharia, geralmente comandada por um coronel ou tenente-coronel. O Grupo de Artilharia equivale-se ao Batalhão na Infantaria. O Grupo de Artilharia é a unidade de emprego da arma, possuindo subunidades chamadas baterias – tendo o mesmo sentido de companhias na infantaria.

Companhia
Unidade militar quase sempre comandada por um Capitão. Conforme a missão, país de origem e composição, uma Companhia possui entre 62 a 200 militares divididos em pelotões.

Na infantaria do Exército Brasileiro, uma Companhia é constituída por três Pelotões, mais um Pelotão de Comando e Apoio.

Sobreviventes da Companhia B, do 124º Batalhão de Infantaria da 31ª Divisão do Exército dos Estados Unidos. Dezembro de 1945

Bateria
Subunidade de um grupo da Arma de Artilharia – equivalente a companhia da infantaria. O Grupo de Artilharia é constituído por três Baterias e mais Baterias de apoio ao comando e o apoio logístico.

Esquadrão
Subunidade da arma de cavalaria, constituído por um conjunto de pelotões.

Pelotão
Unidade militar com cerca de 30 a 40 soldados sob o comando de um Tenente.

Grupo de Combate
A menor fração de combate da Infantaria. Comandada por um 3º Sargento e composta por um atendente médico, dois cabos e seis soldados, porém esta formação pode variar. Três Grupos de combate, mais um Grupo de Apoio, formam um Pelotão.

Seção
Unidade composta por duas ou três esquadras, comandada por um sargento.

Esquadra
Unidade básica comandada por um cabo, composta por 4 a 8 soldados. Em alguns tipos de unidades é chamada Equipe.

3º Esquadra (Equipe), da Companhia B do 1º Batalhão do 242º Regimento, pertencente a 42ª Divisão de Infantaria do 7º Exército dos Estados Unidos.

 

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial.

Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, – antigo Segunda Guerra.org – escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

2 comentários

  1. GOSTEI DEMAIS DO SITE,MUITO INFORMATIVO,RECOMENDO A TODOS.

  2. Muito bom esse site, gostaria de saber se vc pode me enviar uma lista de patentes e graduações, com os símbolos de ombro e de gola de oficiais e praças da SS, GESTAPO, NSDAP e WEHRMACHT, obrigado, meu e-mail é ss1313@terra.com.br ou himler13@gmail.com

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)