Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Historia da Segunda Guerra / Fatos / Durante / Operação Market-Garden – Parte II

Operação Market-Garden – Parte II

Os Alemães

Do lado alemão prevalecia a ordem de retirada da frente, contando com o apoio e a proteção das debilitadas divisões Panzer. O plano de Hitler de transformar o rio Sena na linha de defesa mais avançada foi impossibilitado, restando agora aos alemães recuarem até a Linha Sigfried, perto da fronteira alemã, reorganizando as suas tropas.

O Grupo de Exércitos B do marechal Model se fracionava em 3 linhas de retirada: a Norte, o 15º Exército abandona Pas de Calais; o 5º Panzerarmee cobria, pelo centro, a retirada do desmantelado 7º Exército que se movimentava em direção a Somme; a Sul, o 1º Exército retrocedia, evitando ser esmagado pela progressão das forças franco-americanas vindas da Provença.

Ao Grupo dos Exércitos G, foi ordenado um rápido recuo, levando até ao Ródano uma das suas unidades de combate, o 19º Exército.

Hitler ordenou, em seguida, que as tropas efetuassem uma primeira parada antes da Linha Sigfried e, então, consolidassem posições na referida Linha. Simultaneamente, os comandantes das forças que ainda ocupavam os portos da Bretanha – todas elas sujeitas a um apertado cerco dos Aliados – receberam ordens para resistir até ao último homem, impedindo que as instalações portuárias pudessem ser aproveitadas pelos Aliados.

Holanda

montgomery A ofensiva de Montgomery em território belga tinha por missão capturar e aniquilar o 15º Exército alemão – o mesmo que escapou ileso das operações na Normandia – e destruir as rampas de lançamento das bombas-voadoras usadas para atacar o Reino Unido.

Ambos os objetivos ficaram em responsabilidade do 1º Exército canadense do general Crerar, cabendo ao 2º Exército britânico do general Dempsey conquistar Anvers e abrir caminho pela Holanda até Rhur.

No dia 3 de Setembro, a Divisão de Blindados da Guarda do 2º Exército britânico tomou Bruxelas e, no dia seguinte, a 11ª Divisão de Blindados conquistou Anvers sem dar tempo aos alemães para destruir as instalações portuárias. Porém, os Aliados não tomaram qualquer precaução para garantir o controle das pontes do Canal Alberto, as quais seriam dinamitadas dois dias mais tarde pelos alemães.

Outro erro, decisivo nas batalhas seguintes, foi deixar desguarnecida a península de Beveland, por onde escapou o que restava do 15º Exército alemão usado, tempos mais tarde, para barrar o avanço dos Aliados em direção a Arnhem, na Holanda.

O pior fato, foi a pausa que durou de 4 a 7 de Setembro, após a entrada na Bélgica. Todos, oficiais e soldados, estavam convencidos do fim da guerra. No dia 4 de Setembro, coincidindo com o primeiro dia de descanso, o general alemão Student, comandante das tropas pára-quedistas, recebe ordens para reunir todos os homens que pudesse e formar com eles uma linha defensiva ao longo do Canal Alberto, tendo como pontos de referência Anvers e Maastricht.

Seria este improvisado 1º Exército pára-quedista do general Student o responsável pelas dificuldades encontradas pelos Aliados ao longo das duas semanas seguintes que, até 17 de Setembro, pouco ou nada progrediram.

Em meados de Setembro os alemães tinham fortalecido a quase totalidade da sua linha defensiva, sobretudo no fragilizado setor setentrional.

Foi exatamente esse setor que Montgomery escolheu para lançar nova operação, no dia 17 de Setembro. Suas tropas seriam levadas até o Reno e tomaria Arnhem. A Operação Market-Garden, visava um ataque de forças aerotransportadas, o 1º Exército que abriria caminho ao 2º Exército britânico.

A demora na limpeza do estuário do rio Escalda e a abertura do porto de Anvers atrasou a ofensiva contra Arnhem. Como esta operação falhou, optou-se então em priorizar às duas primeiras.

A lentidão na eliminação das bolsas de resistência alemã nas ilhas de Breskens e Walcheren e na península de Beveland se arrastou até ao início de Novembro, atrasando diversas operações planejadas para esse período.

Apesar dos contratempos, os Aliados haviam dado passos importantes no seu avanço ao coração do Reich. Importantes, mas não decisivos. Foi necessário aguardar a Primavera de 1945 para que os efeitos desastrosos dos erros de Setembro se dissipassem.

Continua… parte III

Artigo Anterior: Operação Market-Garden – Parte I

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

Sem título - Canibalismo Japonês Durante a Segunda Guerra Mundial

Canibalismo Japonês Durante a Segunda Guerra Mundial

Será ficção, mais um mito popular, uma invenção dos prisioneiros de guerra? Não sei confirmar, …

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)