Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / História / Fatos / Operação Carne Picada – Parte IV

Operação Carne Picada – Parte IV

A Execução do Plano

O Major Martin deixou a Inglaterra pela última vez no dia 19 de Abril de 1943, num contentor de latão com gelo seco a bordo do submarino HMS Seraph comandado pelo Tenente Comandante N. A. Jewell. Dias depois, um avião da RAF atacou o Seraph por engano, quase terminando a operação desastrosamente. Antes do amanhecer do dia 30 de Abril, o submarino emergiu distando a cerca de uma milha da costa espanhola próximo de Huelva. A tripulação do submarino trouxe o contentor onde se encontrava o Major Martin para a coberta, e em seguida Jewel ordenou que estes retornassem para o interior do submarino, permanecendo apenas os altos oficiais na coberta. Até esse momento, apenas Jewel , sabia o que estava no interior do contentor. Rapidamente explicou aos oficiais o objetivo da operação, e em seguida prepararam o corpo para o lançamento. Colocaram um colete salva-vidas e a mala com os documentos presa ao corpo, rezaram uma oração do Serviço de Enterros Navais e lançaram o corpo n’água. O próprio movimento do submarino ajudou o corpo se deslocar em direção à costa. Poucas horas depois, um barco pesqueiro resgatou e transportou o cadáver para o porto. O agente da inteligência alemã daquela zona fez o resto.

Após atraso diplomático e burocrático, o governo espanhol entregou a mala, aparentemente por abrir, à embaixada inglesa. Assim que os documentos chegaram a Londres foram examinados microscopicamente, o que revelou que os papéis haviam sido manuseados e, presumivelmente, fotocopiados. Quanto ao corpo, as previsões de Spillsbury confirmaram-se sobre os testes post-mortem realizados em Espanha. Quando se teve a certeza de que os documentos estavam sendo analisados pelos serviços secretos alemães, foi dito ao primeiro-ministro Winston Churchill que a carne picada foi toda comida. O Major Martin foi enterrado poucos dias depois em Huelva com todas as honras militares e rodeadas de flores enviadas pela sua suposta noiva e família. A edição de 4 de Junho da The Times estampava a morte de Martin na lista de baixas. A Abwehr teve em conta todos estes aspectos.

Os serviços secretos alemães deram créditos aos documentos. No dia 12 de Maio de 1943, os documentos chegaram às mãos de Adolf Hitler, e este ordenou prioridade às operações em Sardenha e no Peloponeso (Grécia) e o reforço das defesas em Córsega e Sardenha. Hitler enviou, ainda, uma brigada adicional das Waffen SS para a Sardenha, o Marechal de Campo Erwin Rommel para Atenas, uma divisão Panzer vinda de França e duas outras vindas da Rússia para a Grécia, algo que piorou a situação nessas frentes nomeadamente na frente russa. Simultaneamente, os alemães organizamvam-se para o confronto em Kursk.

Ao invadir Sicília as Forças Aliadas se depararam com tropas italianas e alemãs praticamente desprevenidas. Os Aliados fizeram desembarque na costa Sul, sendo que as defesas da ilha estavam em maior número na costa Norte, virada para a ilha de Sardenha. Grande parte das divisões italianas ficou arrasada imediatamente. Os alemães, sob o comando do Marechal de Campo Albert Kesselring, iniciaram uma resistência determinada, mas se retiraram, em seguida, para Messina. No dia 17 de Agosto de 1943 a Sicília havia sido tomada pelo 7º exército do General George Patton e pelo 8º exército do Marechal de Campo Bernard Montgomery, provando que a Operação Mincemeat havia sido um estrondoso sucesso.

martin_grave
Túmulo do Major

Após várias décadas da operação, nasceram especulações sobre a verdadeira identidade do homem que nunca foi. O historiador britânico Roger Morgan, depois de 16 anos de pesquisas, publicou um livro onde afirma que o corpo do homem usado para a Operação Mincemeat correspondia a Glyndwr Michael, um desabonado, filho de pais iletrados da cidade de Welsh e que não fez nada de positivo durante sua vida. Mas, as especulações não pararam, chegando-se a afirmar que tal homem tinha cometido suicídio com veneno para ratos ou que tinha morrido com uma doença hepática. Especulou-se, igualmente, que o corpo que se encontra no cemitério de Huelva como sendo de William Martin é na verdade de um marinheiro que morreu após o submarino britânico HMS Dasher onde se encontrava ter sido atacado por engano por forças amigas a 27 de Março de 1973, indicando que o corpo do suposto Major Martin fora enviado para Inglaterra.

Artigos Anteriores:
Operação Carne Picada – Parte I
Operação Carne Picada – Parte II
Operação Carne Picada – Parte III

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

Sem título - Canibalismo Japonês Durante a Segunda Guerra Mundial

Canibalismo Japonês Durante a Segunda Guerra Mundial

Será ficção, mais um mito popular, uma invenção dos prisioneiros de guerra? Não sei confirmar, …

feb - Estupros e Massacres na Segunda Guerra Mundial – Soldados Brasileiros

Estupros e Massacres na Segunda Guerra Mundial – Soldados Brasileiros

Na gloriosa história de nossa Força Expedicionária Brasileira e campo de combate italiano, tivemos alguns …

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)