Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Nazismo / O Nazismo e suas Teorias
Hitler - O Nazismo e suas Teorias

O Nazismo e suas Teorias

nazi1 O termo Nazismo denomina a política da ditadura que esteve no poder da Alemanha de 1933 a 1945, o chamado Terceiro Reich. O termo se origina do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – em alemão: Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei, ou NSDAP. Do NSDAP surge o temo nazi ou nazista – de National Sozialist – para denominar seus partidários.

Embora chamado de Partido Socialista, há controvérsias em aceitar que o nazismo tenha sido realmente socialista. Amparando essa afirmação está o fato que mostra uma resistência comunista e socialista ao nazismo antes da chegada de Adolf Hitler ao poder.  E o próprio Hitler afirmou num de seus discursos, que o nacional-socialismo era socialista não na forma tradicional de socialismo, mas sim interpretando o socialismo como “exaltação do social”.O Nazismo construiu suas bases no Pangermanismo, no Nacionalismo, no Anti-semitismo, no Racionalismo e no Integralismo.

Adolf Hitler fundamentou toda sua teoria política no que podemos chamar de a bíblia do nazismo, o livro Mein Kampf (Minha Luta).

As Teorias

Hitler criou as suas teorias políticas sob a observação cuidadosa das políticas do Império Austro-Húngaro. Ele nasceu como cidadão do Império e tinha a crença de que a sua diversidade étnica e lingüística teria o enfraquecido. A democracia era, aos seus olhos, uma fonte de instabilidade, pois mantinha o poder nas mãos das minorias étnicas, que tinham incentivos para enfraquecer e desestabilizar ainda mais o Império. A ditadura seria, então, uma forma sensata de governo, que depositava o poder nas mãos de indivíduos restritos e intelectualmente favoráveis.

O ponto chave da ideologia nacional-socialista é a raça. A teoria nazista afirma que a raça ariana é uma raça-mestra, superior a todas as outras.

Outra tese é que uma nação é o ápice da criação de uma raça. Logo, as grandes nações (literalmente, nações grandes) seriam criações de grandes raças. E essas grandes nações alcançam tal patamar por seu poderio militar e intelectual oriundo de culturas racionais e civilizadas, que, por sua vez, são criadas por raças com boa saúde natural e traços agressivos, inteligentes e corajosos.

Em contrapartida, as nações mais fracas seriam aquelas criadas por raças impuras, isto é, que não contivesse a quase totalidade de indivíduos de origem única.

Sob o ponto de vista nazista, um erro óbvio é permitir ou encorajar múltiplos idiomas dentro de uma nação. Esta crença foi que motivou os alemães a lutar pela unificação dos territórios dos povos de língua alemã.

Nações as quais faltassem capacidade para defender as suas fronteiras, eram frutos da criação de raças fracas ou escravas. Assim, o nazismo defende que as raças escravas são menos dignas de existir do que as raças-mestras. E no caso de uma raça-mestra necessitar de espaço para viver (Lebensraum), teria o direito de tomar o território das raças fracas para si.

Raças sem pátria eram, portanto, taxadas de “raças parasíticas”. Quanto mais ricos fossem os membros da “raça parasítica” mais facilmente propagado seria o parasitismo. Uma raça-mestra podia, portanto, segundo a doutrina nazista, optar pela eliminação das “raças parasíticas” da sua pátria.

Foi sob esta justificativa teórica que a opressão e eliminação dos judeus, ciganos, eslavos e homossexuais, se materializaram.

As religiões que reconhecessem e ensinassem tais doutrinas eram as religiões “verdadeiras” ou “mestras”, pois criavam liderança por evitarem as “mentiras reconfortantes”. Aquelas que pregassem o amor e a tolerância, “em contradição com os fatos”, eram chamadas religiões “escravas” ou “falsas”.

Os homens que aceitassem estas “verdades” eram considerados “líderes naturais”; os que as rejeitassem eram chamados “escravos naturais”.

Embora raça fosse um fator crucial para o nazismo, suas raízes ideológicas iam um pouco mais afundo. Os nazistas buscavam legitimação em obras anteriores, particularmente numa leitura, por muitos considerada discutível, da tradição romântica do século XIX, em especial do pensamento de Friedrich Nietzsche sobre o desenvolvimento do homem em direção ao Übermensch.

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

nazi - 10 Mitos sobre o Nazismo que são tido como verdades

10 Mitos sobre o Nazismo que são tido como verdades

10. A suástica é um símbolo do mal  Também chamada de cruz gamada, ela é …

hitler - Adolf Hitler, um Artista Frustrado pelas Ruas de Viena

Adolf Hitler, um Artista Frustrado pelas Ruas de Viena

Adolf Hitler é uma das figuras mais odiadas da história e para muitos até o …

2 comentários

  1. Tenho 16 e moro em Minas. Sempre gostei da historia de Adolf Hitler e seus generais, sua inteligencia e frieza é muito estimulante. Ja passei esse site pra varias pessoas da minha cidade inclusive meu professor de historia e ele também gostou muito. Parabéns

  2. Olá! Sou Kelly,17, e gostaria de saber sobre os envolvimentos das teorias racistas do seculo XIX e o nazismo no seculo XX, se puder entrar em contato fico grata! e-mail: kelly_.alves@hotmail.com
    Agradeço novamente. Kelly Alves

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)