Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Armamento / Colete a Prova de Balas Russo
Flak jacket 1942 - Colete a Prova de Balas Russo

Colete a Prova de Balas Russo

SN-42 (russo: Stalnoi Nagrudnik – Aço bib) é um tipo de armadura corporal desenvolvido pelo Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial.  Ela consistia de duas placas de aço estampado que protegiam o torso frontal e virilha, era feita de aço 2 milímetros e pesava 3,5 kg.

    soviet soldier body armor 194 300x296 - Colete a Prova de Balas RussoNa imagem ao lado, um jovem prisioneiro de guerra soviético com uma proteção de aço SN-42 que foi usada por soldados russos durante a guerra entre Finlândia e Russia, que era uma continuação da Guerra de Inverno. Na foto podemos notar eficácia da proteção, o jovem soldado havia sido baleado três vezes no peito e saiu ileso.

    O SN-42 foi projetado para proteger contra ataques de baioneta, pequenos fragmentos de estilhaços e balas de pistola 9mm com núcleos de chumbo, também fornecendo proteção contra o fogo de uma metralhadora MP-38/40, desde que os disparos fossem feitos a distâncias de 100 a 150m.

    tumblr mnwflveB1k1qbsnsoo1 500 197x300 - Colete a Prova de Balas RussoQuando a Wehrmacht alterou o fornecimento de cartuchos de 9mm, para um com uma bala com núcleo leve de aço (ferro), O exercito russo foi obrigado a  fazer uma mudança na espessura da proteção, onde a mesma foi alterada para 2,6 mm para a placa no peito. Essa modificação recebeu o nome SN-46.

    As estimativas de desempenho dos placas de soldados da linha de frente foram variadas, tantos que os feedbacks foram positivos e negativos.

    Para os comandantes de unidades e alguns soldados, o testemunho foi positivo, o peitoral funcionou bem em combates de rua, e que junto do capacete de aço, era um método e confiável de proteção contra baionetas, balas e estilhaços.

    Também é necessário destacar o valor moral da proteção. Soldados equipados com as couraças que tinham experimentado a sua fiabilidade, iam para a batalha com calma e segurança.

    Em contrapartida no campo onde as equipes de assalto, muitas vezes teve que rastejar as couraças eram apenas um encargo desnecessário, mesmo tendo uma certa proteção.

     

    Sobre Ricardo Lavecchia

    Ricardo Lavecchia tem 35 anos, nascido no dia 22/01/1982. Natural de Santo André – SP Trabalha como vedendor, desenhista nas horas vagas, sempre procurou novas idéias em imagens de livros e jornais, e foi numa dessas buscas que descobriu outra paixão: A Segunda Guerra Mundial. Tinha, então, 18 anos e se deparou com o livro: "Crônicas de Guerra - Com a FEB na Itália" de Rubens Braga. Ao invés de apenas escolher uma imagem para desenhá-la, resolveu ler o livro. O fascínio pelo assunto o tomou por completo. Em suas pesquisas sobre o tema, descobriu não só relatos de guerra, mas amizades sinceras de veteranos, como o Sr. Antônio Cruchaki, veterano do 9º BEC e o falecido Capitão Rocha da Senta a Pua. E-mail: ricardo @ segundaguerra.net

    Veja Também

    topo katyusha - Katyusha, a arma soviética que aterrorizou os alemães na Segunda Guerra

    Katyusha, a arma soviética que aterrorizou os alemães na Segunda Guerra

    Katyusha, o sistema de lançamento múltiplo de foguetes da União Soviética Katyusha, uma das armas …

    m8 5 - Veículos da Segunda Guerra - Carro Blindado M-8 Greyhound da Força Expedicionária Brasileira

    Veículos da Segunda Guerra – Carro Blindado M-8 Greyhound da Força Expedicionária Brasileira

    Projetado e construído pela Ford Motor Company a partir de 1942, o M-8 Greyhound alcançou …

    Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)