Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Biografias / Biografias da Segunda Guerra – Joseph Goebbels
goebbels1 - Biografias da Segunda Guerra - Joseph Goebbels

Biografias da Segunda Guerra – Joseph Goebbels

goebbels Paul Joseph Goebbels nasceu em Rheydt – atual Mönchengladbach – no dia 29 de outubro de 1897 e faleceu em Berlim no dia 1 de maio de 1945. Filho do contramestre de uma fábrica têxtil, Friedrich Goebbels e de sua esposa Marian.

De origem católica, seus pais desejavam que o jovem Jopseph se tornasse padre, porém este optou por estudar literatura e filosofia. Devida uma paralisia infantil, uma de suas pernas era 10 centímetros menor que a outra, fato que lhe causou muitas infelicidades na juventude, inclusive a rejeição de sua voluntariedade para lutar na Primeira Guerra Mundial.

Sua dedicação aos estudos lhe garantiu uma bolsa na universidade de Heidelberg, onde completou seu doutorado em filosofia em 1921. Porém mesmo portando diploma não conseguia emprego e todas suas tentativas de publicação das suas poesias foram refutadas.

Goebbels tinha apatia ao capitalismo, a democracia, que ele ligava ao caos político Alemão na República de Weimar. Achava a modernidade desprezível. Seu antissemitismo era tamanho que recusou prosseguir um namoro ao descobrir que a mãe da jovem era judia. Pois para ele os judeus e os comunistas eram os únicos culpados da crise econômica e política.

Goebbels chegou a trabalhar por algum tempo num banco, porém não dava valor ao emprego. Vivia numa espécie de busca por algo que o fizesse compreender o sentido de sua vida.

Gregor-Strasser
Gregor Strasser

Atraído pelo discurso nacionalista dos nazistas, em 1922 se aliou ao partido. E sua progressão começou com sua nomeação a secretário pessoal de Gregor Strasser que representava o partido na Renânia e Vestfália.

No dia 1 de outubro de 1925 tornou-se um dos editores do jornal de propaganda nazista Die Nationalsozialistischen Briefe. Em 1928, assumiu a liderança da máquina de propaganda do partido, sendo também eleito para o Reichstag.

Neste período, foi responsável pelo o uso da saudação “Heil Hitler”, marca fundamental dentro do conjunto de ideias que contribuíram para criar o culto em torno do Führer, tida pelo próprio Goebbels como um de seus maiores feitos no campo da propaganda.

Joseph Goebbels ficou célebre não só por sua genialidade no campo da propaganda, mas também por seu ódio aos judeus, o qual exprimiu raivosamente no discurso de 1933 no Sportspalatz da seguinte forma: “Eles não deveriam mentir […] um dia a nossa paciência chegará ao seu fim, e nós vamos calar a boca desses Judeus insolentes e mentirosos”, o seu ódio ao Comunismo foi expresso de igual forma.

A sua habilidade de expressar os ideais Nazistas como uma salvação era extraordinária. Muitos ainda têm Joseph Goebbels como sendo o maior propagandista político de todos os tempos. Foi ele também quem influenciou Adolf Hitler a romper o pacto com os Socialistas Soviéticos, autor da famosa frase “uma mentira cem vezes dita, torna-se verdade”.

Quando assumiu o Ministério da Propaganda e da Informação Pública, o Doutor Goebbels, como era conhecido em alguns círculos, passou a controlar diversos setores da vida cultural da Alemanha, adaptando-os à visão de mundo nazista. Nesse sentido, foi criada a Câmara de Cultura do Reich, onde uma de suas primeiras providências foi o requerimento de certificado de ancestralidade ariana, com a intenção banir os judeus das atividades culturais.

Em paralelo, Goebbels combateu todos os autores considerados contrários aos princípios nazistas. Organizando grandes fogueiras onde se queimou desde obras de escritores liberais, pacifistas e socialistas até livros de Freud, tido como um duplo perigo por sua ascendência judaica e pelas próprias indagações da psicanálise. No passar dos anos, a ação da propaganda antissemita proliferada por Goebbels atuaria fundamentalmente para criar as condições que consolidaria o grande pogrom de 1938, conhecido como a Noite de Cristal (Kristallnacht), quando centenas de propriedades judaicas foram destruídas em diversas cidades alemãs.

Nazi
Uma das fogueiras onde diversos livros foram queimados

Com a capitulação alemã em Stalingrado, em 1943, Goebbels tornou-se decisivo, anunciando, no Palácio dos Esportes, em Berlim, a Guerra Total contra os Aliados. Exigindo um esforço de toda a população nesta hora crítica, estabeleceu a jornada de trabalho de 60 horas por semana e restringiu as atividades ligadas à educação e ao lazer.

Frente aos ataques da aviação inimiga, comboios de ajuda às cidades alemãs mais atingidas pelos bombardeios foram organizados, onde Goebbels surgia levando alimentos, agasalhos e remédios. Tal ação ajudava manter a sua boa imagem em relação à população, num momento onde eram impostas tantas exigências e sacrifícios.

Depois do atentado a Hitler, em julho de 1944, Goebbels tornaria-se, além de Ministro da Propaganda, responsável pelo controle militar em Berlim. Logo receberia o título de Plenipotenciário do Reich para a Guerra Total, tornando-se ao lado de Himmler um dos homens mais poderosos da Alemanha, abaixo do Führer.

Joseph_Goebbels_Frau_Magda
Goebbels e sua Esposa Magda

Em abril de 1945, mudou-se com sua esposa e seus filhos para o bunker de Hitler em Berlim. Ali, antes de cometer suicídio, Hitler, em seu testamento nomeou Goebbels chanceler da Alemanha, quando os tanques soviéticos já rodavam pelas ruas de Berlim e já havia clareza na verdade que a Alemanha tinha perdido a guerra.

Com a morte de Hitler, Goebbels ainda tentou uma última manobra, buscando assinar um armistício em separado com os soviéticos, porém a exigência de rendição incondicional imposta não agradou Goebbels.

goebbelschildren5lh
Goebbels e seus 6 filhos

Na madrugada do dia 1º de maio de 1945 foi dito às crianças que elas deixariam o bunker pela manhã. No mesmo dia Magda conseguiu grandes quantidades de morfina, que ela aplicou em seus seis filhos, (Helga, Hilde, Helmut, Holde, Hedda e Heide) e em seguida envenenou-os com cianureto. Após matar as crianças, ela e seu marido Joseph Goebbels também tomaram o cianureto.

filhos
Corpos dos filhos de Goebbels

Os corpos de Goebbels e sua esposa, a exemplo de Adolf Hitler e Eva Braun, foram queimados próximos a chancelaria do Reich.

No dia 3 de maio de 1945, um dia após as tropas russas encontrarem os corpos queimados, as seis crianças foram encontradas em suas camas, vestidas como para uma festa. As meninas usavam laço de fita no cabelo.

Mais Fotos de Joseph Goebbels

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

esqd rec amaro cart idt mod - Heróis da FEB - Tenente Amaro Felicíssimo da Silveira - Esquadrão de Reconhecimento

Heróis da FEB – Tenente Amaro Felicíssimo da Silveira – Esquadrão de Reconhecimento

Amaro Felicíssimo da Silveira nasceu dia 4 de maio de 1914 e faleceu em combate …

2 comentários

  1. Antonio Torres Xavier

    A Oratório de Goebbels Esta Viva em discursos do Século XXI, Seja em Telejornais, Cultos Religiosos, na Política e Muito Mais.

    Se tornou comum desde o final da segunda guerra considerar o sucesso da Propaganda Nazista as ações comunicacionais de Goebbels. O mais estranho que um Doutor em filosofia de origem católica conseguiu desenvolver um grande Plano de Comunicação no qual as poucas mídias da época principalmente o Rádio e o Cinema vão propagar imagens e oratórias de uma nação exemplar,superior,segura, rica e perfeita.
    Blefe, fanatismo, preconceito foram os ingredientes que culminaram disseminando sentimentos de vingança e ódio nos diversos segmentos da Sociedade Alemã.
    Já em relação ao modelo exemplar de Raça Superior dos nazistas, este nunca esteve presente nos aspectos físicos dos principais gestores do partido, a começar pelo próprio Goebbels e Hitler. Também não podemos negar que as ações Institucionais do aparato das Comunicações executadas pelos nazistas acabaram contribuindo muito para o desenvolvimento e estudos da Comunicação Social.
    Só temos que ter cautela em perceber que os discursos afirmativos cheios de clichês debochados de Goebbels, visando denegri Pessoas, Raças e Governos, visando a lavagem cerebral das massas, estão bem presentes na comunicação de alguns Políticos , Jornalistas e Religiosos de nossa sociedade atual. Recentemente em um Programa jornalístico semanal , um dos jornalistas se referiu ao escritor Stefan Zweig (Suicidou-se em 22/02/42 em Petrópolis -RJ) como escritor medíocre, puxa saco de Ditador (Getulio Vargas) etc. Por esta e outras e que temos que preservar a memória das guerras, do Nazismo , do Fascismo, e de outras aberrações da humanidade, para lembrarmos que mesmo em plena democracia podemos ouvir discursos inconsistentes, cheios de segundas intenções impregnadas de Ideologias destrutivas, que na prática não colaboram para a melhoria da humanidade.

  1. Pingback: O poder das palavras: Hitler e Goebbels incendeiam a Alemanha - Imagens Históricas

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)