Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Ricardo Lavecchia (página 5)

Ricardo Lavecchia

Ricardo Lavecchia tem 35 anos, nascido no dia 22/01/1982. Natural de Santo André – SP

Trabalha como vedendor, desenhista nas horas vagas, sempre procurou novas idéias em imagens de livros e jornais, e foi numa dessas buscas que descobriu outra paixão: A Segunda Guerra Mundial. Tinha, então, 18 anos e se deparou com o livro: “Crônicas de Guerra – Com a FEB na Itália” de Rubens Braga. Ao invés de apenas escolher uma imagem para desenhá-la, resolveu ler o livro. O fascínio pelo assunto o tomou por completo.

Em suas pesquisas sobre o tema, descobriu não só relatos de guerra, mas amizades sinceras de veteranos, como o Sr. Antônio Cruchaki, veterano do 9º BEC e o falecido Capitão Rocha da Senta a Pua.

E-mail: ricardo @ segundaguerra.net

Sd. Belizário Costa – Veterano Soldado da Borracha

História: Acompanho e apoio a luta desses bravos seringueiros, verdadeiros soldados da borracha, pois foram fundamentais no esforço de guerra assumido pelo Brasil entre 1942 e 1945, durante a 2ª Guerra Mundial, quando estes homens foram recrutados para trabalhar na Amazônia extraindo látex para os aliados. Na época, foram para …

Preservação de veículos militares antigos, preservação da história e reenacting

POR MAURO S. ORUI A preservação de veículos militares antigos no Brasil vai muito além do hobby é certamente uma paixão, que leva um proprietário de viaturas (termo correto) escavarem a historia militar e automobilística, tudo para alcançarem o Maximo possível a fidelidade de época. E nesta viajem fascinante pela história que passa pela participação da FEB e FAB na segunda …

A Campanha do Atlântico Sul – Os Estados Unidos em Nosso Quintal – Parte III

Continuação… Mas, com enorme esforço superou tudo. Os torpedeamentos de navios mercantes brasileiros na nossa costa, sem declaração de guerra, pegou todos de surpresa. De uma hora para outra os nossos navios mercantes, inteiramente desarmados, tiveram que se organizar em comboios e a nossa Marinha forneceu as primeiras escoltas. Para …