Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / Brasil / FEB – A Companhia Siderúrgica Nacional

FEB – A Companhia Siderúrgica Nacional

siderurgicanacional Desde a Revolução de 1930, o governo brasileiro planejava a construção de uma indústria siderúrgica nacional para o desenvolvimento econômico e também para a soberania do Estado.

Em junho de 1939, no ato da visita aos Estados Unidos do chefe do Estado-Maior do Exército brasileiro, general Góes Monteiro, o governo estadunidense se pôs a disposição para cooperar com o setor econômico e militar brasileiro desejando em troca a colaboração nos planos de defesa continental traçados em Washington.

Seguindo com os seus intuitos, um grupo de técnicos da empresa estadunidense United States Steel foi remetido ao Brasil e como resultado favorável aos seus estudos, foi criada a Comissão Preparatória do Plano Siderúrgico. Porém, em janeiro de 1940 a empresa desistiu da construção da usina no Brasil. As especulações sobre os motivos dessa desistência giram em torno dos estudos feitos na época sobre a possibilidade da criação de um novo Código de Minas que vetaria a participação estrangeira na atividade metalúrgica.

A partir daí, o governo brasileiro decidiu concretizar a construção de uma empresa nacional, através da ajuda de empréstimos estrangeiros. Ainda em 1940 foi criada a Comissão Executiva do Plano Siderúrgico Nacional, que fixou metas de produção e financiamento e decidiu que a localização da usina seria em Volta Redonda no Rio de Janeiro.

A embaixada brasileira em Washington, sob autorização do governo, solicitou ao Eximbank um crédito de US$ 17 milhões para a aquisição de maquinaria. O governo estadunidense, além de manter-se indefinido, tentou reatar as negociações entre o Brasil e a United States Steel; solução que havia perdido o interesse para o governo brasileiro.

pag_17_02
Vargas visitando o local das instalações da futura Companhia Siderúrgica Nacional

A decisão veio após o discurso de Getúlio Vargas a bordo do encouraçado Minas Gerais em 11 de junho de 1940. Contendo alusões de simpatia ao Eixo, o discurso é interpretado como manobra para forçar os Estados Unidos a favorecer a implantação da siderurgia no Brasil. Manobra que deu certo. Pois, uma comissão integrada por Edmundo de Macedo Soares, Guilherme Guinle e Ari Torres foi aos Estados Unidos para negociar o financiamento com o Eximbank e recebeu um empréstimo de US$ 20 milhões.

Tal negociação foi a principal razão pela qual o governo brasileiro, mais tarde, decidiria participar ativamente dos conflitos na Europa. As demais razões serviriam apenas para acirrar a opinião pública.

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

foto 3 - Georges Schteinberg - O Herói judeu da França Livre que viveu entre nós.

Georges Schteinberg – O Herói judeu da França Livre que viveu entre nós.

O Holocausto, a perseguição e o posterior assassinato sistemático e em escala industrial, perpetrado pelos …

11202873 455284331340213 6279428159685743052 n e1510068711717 - De Cangaceiro a Soldado da Borracha

De Cangaceiro a Soldado da Borracha

Muitos foram os brasileiros lutando pelo esforço de guerra durante a Segunda Guerra Mundial, mas …

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)