Ecos da Segunda Guerra

 

1939 - 1945

 

Que essa ocasião solene faça emergir um mundo melhor, com fé e entendimento, dedicado à dignidade do homem e à satisfação de seu desejo de liberdade, tolerância e justiça."

Segunda Guerra Mundial
Home / História / Batalhas / A Batalha da Polônia – Parte I
invasionpolonia1 - A Batalha da Polônia - Parte I

A Batalha da Polônia – Parte I

Polonia
Invasão da Polônia

O confronto com a Polônia

Às 23 horas de 21 de agosto de 1939, as rádios alemãs interromperam sua programação e uma voz solene noticiou que o Governo do Reich e o Governo Russo assinaram um pacto de não agressão. Notícia que abalou o mundo. Todos sabiam que esse fato era o que faltava para que Hitler continuasse com seu plano de avançar nos territórios europeus, onde o próximo alvo seria a Polônia.

Dez dias depois, às 11h30min da manhã de 31 de agosto de 1939, o general alemão Halder recebeu um chamado telefônico urgente da Chancelaria do Reich. Foi noticiado de que toda a operação conhecida como Plano Branco (Fall Weiss) será iniciado. Emocionado, o general Stulpnagel comunicou-lhe: “O ataque será amanhã, às 04h45min da madrugada. Inglaterra e a França estão decididas a intervir, mas o Führer resolveu iniciar a campanha”.
Uma hora depois Hitler assinou a Diretiva n° 1 para a condução da guerra e entregou o desventurado documento aos chefes da Wehrmacht.

A preparação Alemã


Em Varsóvia, o Comandante-em-chefe do exército, Marechal Smigly-Rydz, decidiu dar o passo, após inseguras vacilações. Às 11 horas da manhã expediu a ordem de mobilização geral e ao cair da noite do dia 31 de agosto, iniciaram os primeiros “combates” da guerra. Soldados da SS, disfarçados em uniformes poloneses, realizaram ataques forjados a alguns postos de fronteiras alemães. Imediatamente, as emissoras transmitiram alarmantes comunicados sobre as inesperadas “agressões”. A farsa foi à justificativa de Hitler ao seu povo e ao mundo sobre o ataque contra a Polônia. A Posição da Alemanha era vantajosa, pois envolvia quase totalmente o território da Polônia e dividiu seus efetivos em duas grandes massas de ataque.

gerrundstedt
General Rundstedt

Os Exércitos no Sul, comandado pelo general Rundstedt, executaria a manobra decisiva da campanha. Portanto, lhe foram dadas 35 divisões, compreendendo o grosso das forças blindadas: 4 Divisões Panzer (DP), 3 Divisões Mecanizadas (DM) e 2 motorizadas. Sua missão seria tomar uma importante região carbonífera da Silésia polonesa, e em seguida, avançar rapidamente até Varsóvia próximo ao rio Vístula, conquistando a capital e unindo as suas forças ao oeste deste rio com as unidades dos Exércitos “Norte”. O exercito polonês, então, cercado do norte ao sul, não poderia construir uma nova linha defensiva por trás do Vístula.

Os Exércitos Norte, comandado pelo general von Bock, teria 25 divisões: 1 Panzer, 2 mecanizadas e 2 motorizadas. Depois de vencer as unidades polonesas no corredor de Dantzig, avançaria ao sul, flanqueando os rios Vístula e Narew, para se unirem com as tropas de Rundstedt.

O comandante-em-chefe do Exército polonês, o Marechal Edward Smigly-Rydz, estava diante de um problema sem solução para a defesa do seu país. Suas forças eram muito inferiores, em número e armamento, aos exércitos alemães. Contava apenas alguns ultrapassados carros de combate franceses e ingleses e a força aérea reduzia-se à cerca de 400 velhas aeronaves. O Marechal devia optar entre duas escolhas: entrincheirar os exércitos na fronteira, para defender a região ocidental, onde se situavam as indústrias, ou colocar-se por trás da barreira fluvial, formada pelos rios Vístula e Narew, com o objetivo de enfrentar a Wehrmacht em fortepolonia posição defensiva. No primeiro caso, ele corria o risco de ver seus exércitos massacrados nos primeiros dias de luta. No segundo, perderia a fonte de abastecimento e seria obrigado a render-se em pouco tempo. Optou pela primeira escolha e dividiu suas forças em três grandes setores. No norte, frente à Prússia Oriental e à Pomerânia, onde dispôs 3 exércitos, integrados por 15 divisões de infantaria e 5 brigadas de cavalaria; no centro, resguardando a rica província de Poznan, pôs o grosso das suas tropas, 2 exércitos com 4 brigadas de cavalaria e 9 divisões de infantaria, apoiados na retaguarda pelo Exército “Prússia”, integrado por 6 divisões de infantaria, 1 brigada motorizada e 1 brigada de cavalaria; finalmente, no sul, em Cracóvia e nos Cárpatos, destacou 2 exércitos: 8 divisões de infantaria, 2 brigadas motorizadas e 1 brigada de cavalaria.

Bombardeio de Ferrovia Polonesa

Continua… Invasão da Polônia Parte II

Sobre André Luiz!

André Luiz, natural de Osasco, ex-militar do Exército, estudou letras em São Paulo, graduando em Psicologia e fascinado pelos fatos que envolvem a Segunda Guerra Mundial. Idealizador e criador do site Ecos da Segunda Guerra, - antigo Segunda Guerra.org - escreve sob a expectativa de contribuir com a memória deste trágico conflito e demonstrar mesmo nos acontecimentos mais terríveis é possível observar detalhes interessantes.

Veja Também

800px RIAN archive 429 Fresh forces going to the front - A Batalha de Moscou - Ilya Vinitsky em O Preço do Terror

A Batalha de Moscou – Ilya Vinitsky em O Preço do Terror

Quando a Alemanha invadiu a União Soviética, no dia 22 de junho de 1941, Ilya …

pb - Operação Pinball - Treinamento de tiro com alvo tripulado.

Operação Pinball – Treinamento de tiro com alvo tripulado.

Já imaginou um alvo tripulado para treinamento de tiro para artilheiros de bombardeiros? Pois durante …

Deixe sua Opinião (Facebook - Twitter - Google+)